sexta-feira, 27 de julho de 2012

Apesar de punição, chips de celulares são vendidos em bancas e farmacias!

» Entenda a suspensão das vendas de linhas por TIM, Claro e Oi

A Anatel afirmou nesta segunda-feira que as operadoras são responsáveis pela distribuição e venda dos produtos e terão que pagar multa de R$ 200 mil por dia, caso fique comprovada a comercialização, mesmo que por terceiros, como bancas de jornais, onde foram encontrados os chips nas cidades pesquisadas.Esses lojistas, contudo, não podem ser punidos pela agência, pois ela só tem legitimidade para fiscalizar terceiros que vendem produtos não habilitados, que não é o caso dos chips de celulares. Segundo a Anatel, a estratégia de fiscalização não será em pontos de venda, mas por meio dos bancos de dados dados direto nas operadoras, onde a agência diz que irá verificar se foram deitas ativações de novas linhas nas regiões proibidas.Em São Paulo, o Terra foi às ruas e teve acesso a dois chips da Claro adquiridos em bancas de jornais no Brooklin. Porém, a facilidade de compra vista nas bancas não foi encontrada na loja autorizada da operadora, no mesmo bairro, onde o vendedor afirmou que a Claro estava impedida de comercializar qualquer tipo de nova linha de celular ou de internet 3G.Os vendedores das bancas de jornal, porém, nada informaram sobre a proibição. Um deles ainda chegou a dizer que o chip iria funcionar. Porém, ao tentar a ativação em um celular desbloqueado, a reportagem constatou que a operadora não enviou a mensagem de texto confirmando a ativação - procedimento informado no manual do chip - impedindo a habilitação.Em Brasília também não foi difícil encontrar o chip da TIM à venda. Na primeira banca de revistas procurada pela reportagem foi possível não apenas comprar, como escolher o número de telefone que mais agradasse ao consumidor. Ao tentar o cadastro da linha, em plano pré-pago, a TIM nem chegou a transferir a ligação para um atendente.Uma gravação avisa a quem tenta cadastrar uma linha nova que não é possível concluir o procedimento. "Por determinação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a fim de garantir a melhoria da qualidade do serviço prestado ao consumidor, está suspensa a venda de plano de serviço de telefonia móvel, de voz e dados", diz a mensagem gravada, que encerra o telefonema logo em seguida.No Rio de Janeiro também é fácil encontrar chips da operadora proibida de comercializar no Estado - a TIM. O Terra parou em cada uma das sete bancas que existem na avenida Rio Branco entre a praça Mauá e a avenida Presidente Vargas, no centro da cidade. Em todas encontrou jornaleiros dispostos a comercializá-los normalmente.Segundo jornaleiro de banca na esquina da avenida Rio Branco com a rua São Bento, a operadora não mandou nenhum comunicado mandando suspender a venda de seus chips e que tinha tomado ciência da proibição apenas pela imprensa."O que eu sei é que a decisão não impede a venda de lotes que já estejam nas bancas. A gente comprou estes chips há mais tempo e não podemos sofrer o prejuízo. Então estamos vendendo normalmente", afirmou o jornaleiro, que não quis se identificar.Em outra banca de jornais, na esquina da Rio Branco com a rua Visconde de Inhaúma, o jornaleiro contou que já havia inclusive vendido dois chips nesta segunda-feira e garantiu à reportagem que não haveria problema nenhum em homologar um chip novo na TIM.Em Florianópolis, onde a Claro é que não pode vender novas linhas, algumas lojas não possuem o aviso obrigatório sobre a proibição, contudo, nestes mesmos locais, não é possível comprar chips. Nem mesmo em postos de gasolina - tipo de estabelecimento comum de venda de chips na cidade - foi possível encontrar o produto à venda. A pesquisa foi feita nos bairros Campeche, Rio Tavares, Lagoa da Conceição, Centro, Itacorubi e Santa Mônica.Em nota, a TIM disse que está cumprindo "integralmente" a determinação da Anatel e que todos os esforços da companhia estão voltados à preparação do plano de melhoria dos serviços que - segundo a operadora - será protocolado hoje e discutido amanhã com a agência reguladora. A operadora afirmou ainda que os pontos de venda estão orientados a não fazer ativação de novos chips. A TIM diz que devido à "alta capilaridade de sua rede de vendas, com mais de 300 mil pontos", é possível algum ponto de venda indireto tenha comercializado os chips sem o conhecimento da empresa. Já a Claro informou que desde o início da determinação da Anatel "todos os canais da operadora foram informados sobre a suspensão da habilitação de novas linhas nos Estados de São Paulo, Sergipe e Santa Catarina, incluindo representantes do corporativo, revendas, recarga, distribuidores, agentes autorizados e lojas próprias". A operadora afirma ainda que não fará nenhuma ativação de novas linhas, "mesmo que haja alguma venda pontual em canais terceirizados, durante a vigência da suspensão", diz a nota divulgada nesta segunda-feira.
Mesmo com a proibição de vendas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), ainda é possível comprar chips de telefonia móvel das operadoras Claro, em São Paulo - onde está vetada-, e da TIM em Brasília e Rio de Janeiro.

Nenhum comentário: